segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Os vendedores ambulantes argentinos

Catedral de La Plata
2006/12

De Buenos Aires a La Plata são cinquenta e tal quilómetros que se fazem calmamente, apanhando o comboio na estação de Constitucion. As composições à disposição (quando lá estive) eram de conforto mínimo, praticamente só em chapa, por fora e por dentro, e claramente feitas para irem resistindo...

Entre a metrópole do Rio da Prata e a cidade que foi construída para vir a ser a nova capital do país das pampas, a viagem pouco difere, numa boa parte do trajeto, daquelas que fazemos através das zonas suburbanas de qualquer urbe. Mas há um pormenor na viagem que lhe dá uma graça absolutamente ímpar: os vendedores ambulantes.

Da primeira à última paragem, sucedem-se nas carruagens os vendedores (e pedintes, também), numa espécie de ordem perfeitamente estabelecida e que não é rompida por ninguém: um vendedor por carruagem, o próximo só entra quando o primeiro sair. À primeira poderíamos pensar que fazer uma viagem - que para o turista é sempre de prazer -, sendo o tempo todo incomodado pelo pregões dos comerciantes, é uma coisa irritante. A verdade é que os vendedores da linha BA-La Plata não se limitam a mostrar os seus produtos: eles envolvem-nos com enormes histórias, descrevendo minuciosamente a qualidade das coisas que vendem de uma forma tão fluente e até colorida que rapidamente chegamos à conclusão de que aquilo que julgaríamos ir ser um incómodo será, na realidade, um festival de gente castiça.

O vendedor chega à carruagem. Para no início. Apresenta-se e cumprimenta a geral. De seguida, começa  a falar das coisas que traz consigo e de como elas são boas e a um excelente preço. Depois, percorre a carruagem e, ocasionalmente, deixa "amostras" às pessoas para, finalmente, na volta, recolher os produtos rejeitados e se fazer pagar por aqueles que forem tomados. A coisa pode variar, é claro, mas, de uma forma geral é assim:

- Senhoras e senhores, muito bom dia! Trago-vos hoje mais um produto com a grande qualidade a que já vos habituei. Trata-se de um guia das estradas do nosso país que, para além dos caminhos do norte, do centro e do sul, inclui igualmente os mapas das principais cidade da Argentina, tudo em formato de bolso para vossa comodidade. E se pensam que este utilíssimo livro é vendido a um preço elevado, enganam-se. Por apenas X pesos - repito -, por apenas X pesos, podem ter na vossa mão este guia (vejam como cabe facilmente num bolso) ...

(o vendedor folheia o livro, põe-no e tira-o do seu bolso)

- ... e como é fácil manuseá-lo. Por apenas X pesos, relembro-vos... Vejam, consultem e apercebam-se de como está a ser vendido a um ótimo preço. É um produto de qualidade e de confiança.

(o vendedor distribui alguns exemplares pelos passageiros)

- Mas há uma coisa que ainda não vos disse: é que, como se não bastasse a informação relativa às estradas, ainda é possível saber quais as principais linhas de comboio que atravessam o país. E, agora, pensem bem: tudo isto por X pesos. É ou não é uma grande compra? Claro que é. E está à venda apenas hoje, senhoras e senhores. Apenas hoje.

E a coisa continua neste tom, até à próxima paragem, altura em que o vendedor avança para a próxima carruagem, sendo imediatamente substituído pelo próximo cromo que, caso seja um pedinte, age da seguinte maneira: cumprimenta as pessoas e logo começa a entregar em mão ou a deixar junto a nós uns cartõezinhos com personagens da Walt Disney, em poses muito tristes e com dizeres do tipo "Nunca me esquecerei de ti". Na volta, o pedinte (provavelmente uma criança), espera receber uns trocos juntamente com os cartões.

E o que se vende no comboio? Roteiros de estradas, conforme já contei (e ainda hoje me arrependo de não o ter comprado porque custava, realmente, uma absoluta ninharia), lápis de cor, cadernos, carteiras, revistas... de tudo um pouco.

No fim da linha, temos a cidade de La Plata que vale bem uma visita para ver o seu teatro, o museu (em estilo antigo, com grandes e vestutas estantes), o edifício feito por Le Corbusier e a belíssima praça central com o edifício da câmara municipal e a magnífica catedral neogótica a cujo topo se pode subir. Ir a La Plata é algo fundamental para quem for a Buenos Aires.

Quanto aos vendedores, fica aqui um vídeo a partir do qual poderão aceder a outros para verem este giríssimo espetáculo:


Sem comentários:

Enviar um comentário

Textos relacionados