quarta-feira, 21 de março de 2012

As diferentes posições para... obrar

Duas sanitas, duas formas de estar...
Diz-se que os Japoneses fazem muita coisa ao contrário de nós. Isso é bem capaz de ser verdade, embora não me pareça que eles se sintam particularmente afetados por diferenças tão insignificantes como mexerem o café girando a colher no sentido contrário ao dos ponteiros do relógio (é uma das histórias que por aí correm) ou dormirem no chão, ou tomarem banho sentados ou... guiarem "à inglesa". A cada povo, os seus hábitos.

Já para quem visita a terra do sol nascente, as coisas podem revestir-se de contornos cómicos. Um dos pormenores que me saltou à vista quando por lá andei foi a questão das casas de banho. É que no Japão, a posição típica para defecar (ou cagar, obrar, arrear o calhar, mandar um fax, aliviar a tripa, ou fazer... cocó -  como quiserem), não é confortavelmente sentado (e logo eles que têm aquelas sanitas com aquecimento e jato de água), mas sim de cócoras. Ora, se eles fazem a coisa assim, a louça sanitária tem de estar de acordo com a posição tomada. Consequentemente, numa grande parte dos lavabos japoneses (incluindo nos comboios), há uma espécie de bidé quase ao nível do chão (ou mesmo lá colocado) sobre o qual o aflito se deve agachar. Para facilitar a vida, costuma haver um varão para que a pessoa a ele se segure com as duas mãos e assim se possa concentrar mais na sua tarefa principal e menos em não se estatelar sobre o traseiro (o que poderia ser, já se vê, uma grande porcaria). Terminado o esforço, o resultado deste é removido com um fluxo de água na horizontal. Felizmente para o turista ocidental, são poucos os locais onde apenas existem "sanitas" à japonesa e, em caso de emergência, é de esperar a existência de um "trono" à medida daquele. Se não houver... azar.

Outro pormenor que notei foi o relativo aos urinóis. Por alguma estranha razão, todos aqueles que eu vi se encontravam numa posição que permitia, a quem passasse junto à porta, ver quem estava lá dentro. A coisa era tão estranha que, até nos comboios, existiam cabinas com um urinol (ao lado da cabina com a "sanita") e com uma janela, fazendo com que do corredor observássemos as costas de quem ali estava a urinar! Seria mais alguma tara nipónica?

Sem comentários:

Enviar um comentário

Textos relacionados