segunda-feira, 26 de março de 2012

Os Japoneses e o Inglês

Quando fui ao Japão levava comigo algum conhecimento do idioma japonês, fruto da frequência de um curso de iniciação à língua. De certa forma, até se pode dizer que a ideia da viagem surgiu na sequência do referido curso.

Não me preocupei em saber, antes de partir, se os Japoneses dominavam o Inglês. Eu ia com a confiança de quem sabia dizer umas coisas simples, o suficiente para me desenvencilhar como turista mas nunca para, sequer, entabular a mais singela conversa com um indígena.

Ao chegar ao Japão, rapidamente percebi que, para os Japoneses, o Inglês é uma coisa séria. Se por um lado eles se sentem fascinados pelo idioma - ao ponto de até a propaganda política (decorria uma campanha, na altura), utilizar a língua da velha Albion -, por outro lado, têm sérios problemas em conseguir falar aquele e muito poucos o dominam competentemente. E não me refiro a questões de pronúncia (eles trocam os "L" por "R"), mas tão simplesmente a conhecerem, sequer, as coisas mais básicas. Na realidade, não se pode acusá-los de ignorância ou má vontade. Quando se vive numa sociedade tão densa e com uma cultura tão forte onde tudo está disponível na língua local, dificilmente as pessoas sentirão necessidade de se expressarem numa língua estrangeira.

Foi-me, portanto, muito útil aquilo que aprendi em Lisboa, quer fosse para saber se um transporte ia para um certo destino, perguntar se podia pagar uma compra com cartão de crédito ou para fazer uma reserva num comboio.

Mas a verdade é que os mais novos em idade escolar, essa classe de criaturas com fardas de colégio que enche as ruas, museus e monumentos no Japão (a ponto de uma pessoa se perguntar se eles alguma vez entram numa sala de aulas), esses, dizia, aprendem Inglês. E, naturalmente, querem praticá-lo. Como não podem fazê-lo com os colegas, tão desajeitados quanto eles, escolhem como alvo os turistas. Fazem-no de uma forma engraçada, feita de "olás" seguidos do lançamento de palavras e expressões, a ver se conseguem uma resposta que os deixe orgulhosos das suas capacidades linguísticas e, provavelmente, em posição de vantagem relativamente aos seus amigos.

Ao abrir um livro deixado na zona de convívio de um albergue em Quioto, dei com a seguinte frase lá escrita por um anterior hóspede, em jeito de aviso:

"Os miúdos japoneses gostam de meter conversa connosco. Mas não julguem que é porque nos acham simpáticos:  eles apenas querem treinar o seu Inglês". 

A coisa fez-me rir ao lembrar-me dos "Herô! Herô, mister. How hah you?" que já tinha ouvido aqui e ali. No fundo, eles olham-nos como uma espécie de cobaias... :)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Textos relacionados