sexta-feira, 30 de março de 2012

Viajar de camioneta na Argentina

Ao contrário do que seria de esperar, a Argentina, apesar do seu grande tamanho, não tem um sistema ferroviário particularmente desenvolvido. Na verdade, quem planeie umas férias nesse diversificado país rapidamente chega à conclusão de que a forma de ir a todo o lado é de camioneta.

Qualquer viagem por ali leva várias horas, tal é a distância a percorrer. E, como é perfeitamente normal que uma ligação nos tome o dia e a noite, as empresas rodoviárias desenvolveram diversas classes de camionetas para melhor acomodarem os passageiros e se adaptarem às suas possibilidades. Basicamente, há quatro tipos de assento: normal, semideitado, quase-deitado e deitado. Quanto mais perto da posição horizontal pudermos ficar, mais caro é o bilhete (desde logo porque a camioneta leva menos gente). Logicamente, o conforto também vai aumentando.

Independentemente do tipo de assento que escolhermos, a qualidade do serviço é, no mínimo, boa. Os bancos são confortáveis e, se a viagem se der à noite, há mantas para nos aconchegarmos, ceia antes da hora de dormir (nem sempre) e pequeno almoço de manhã. Este, é feito de coisas simples: café, chá e bolachas servidas em pequenos pacotes do mesmo tipo dos que se podem comprar em vulgares quiosques de rua.

Hora do pequeno almoço...
Qualquer que seja a camioneta, o conforto e o serviço que temos são, em princípio, superiores a qualquer um que experimentemos na boa velha Europa.

Quando as camionetas, ao longo do caminho, param em estações importantes, é comum virem vendedores ambulantes a bordo (ou ficarem juntinho à porta), tentando vender comida ou pequenos objetos que ajudem ao nosso conforto. Para café e chá, não vale a pena fazer despesa porque as camionetas têm-no sempre à disposição.

Em 2006 viajei nas categorias semideitado e quase-deitado (os nomes são dados por mim). Nesta última só fiz uma viagem mas deu para notar que, havendo mais algum dinheiro, vale bem a pena, sobretudo pelo menor número de passageiros. Só posso imaginar o que será viajar absolutamente deitado, na classe "ejecutivo"... Lembro-me, também, de que nessa viagem, feita entre Mendoza e Buenos Aires (parece-me), até houve direito a um pequeno passatempo promovido pelo assistente a bordo, uma espécie de bingo que divertiu os passageiros e cujo prémio foi uma garrafa de vinho que, infelizmente, saiu ao tipo errado...

Assento "semideitado" (o mais comum)
Independentemente do que nos espere no nosso destino, viajar nas camionetas argentinas (uma boa parte delas feitas no Brasil) é uma grande experiência em si mesma. Junta-se o prazer da viagem ao conforto e à sensação de agradável abandono que isso nos dá.

Ter as Pampas ou os montes ou a floresta  ou o deserto - enfim, tudo aquilo que a Argentina nos oferece -, desfilando por nós e enchendo o horizonte connosco ali refastelados, é, independentemente do bilhete que tivermos comprado, uma coisa de primeira... classe!



NOTA: a primeira e a terceira fotografias foram retiradas dos blogues That's it. I'm out of here. e Barry travels the world, respetivamente.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Textos relacionados