domingo, 8 de julho de 2012

O Forte da Casa e o seu centro interpretativo

Forte da Casa
Eu nunca tinha ouvido falar do Forte da Casa. Já tinha passado várias vezes junto de Forte da Casa mas, por qualquer razão, nunca tinha associado o nome da localidade à existência de uma fortificação. Talvez porque o aspeto absolutamente desinteressante daquilo que se vê da estrada nunca tenha despertado a minha imaginação para a hipótese de, por trás da muralha de feios edifícios, poder haver qualquer coisa que me pudesse - ainda que remotamente -, interessar. Preconceito? Sim.

Durante o planeamento de um passeio até Vila Franca de Xira (naquela fase em que se anda a saltar de site em site), dei de caras com uma referência à existência, em Forte da Casa, de um dos muitos exemplares das construções militares que faziam parte da Linha de Torres [Vedras], essa magnífica sucessão de fortificações que tinha como objetivo (conseguido, diga-se), suster o avanço napoleónico na terceira invasão francesa, no Séc. XIX. Imediatamente acrescentei o local à minha rota.

Na devida altura, e após algumas voltas mais fruto de alguma azelhice do que, propriamente, de más indicações, lá dei por mim em frente dos restos da "Obra nº 38" (referência do local, no sistema defensivo). Se eu fosse à procura de um forte sólido e imponente, ter-me-ia desiludido imediatamente perante a visão de poucas pedras e muita terra mas eu já sabia do estado do conjunto e, verdade seja dita, a fortificação é perfeitamente identificável, apesar da degradação causada pelo tempo. No interior (muito bem arranjado, para local de passeio e descanso), existe um "centro interpretativo", coisa que, na minha experiência, pode oscilar entre um contentor vazio e um autêntico museu. No caso, estamos mais próximos da primeira situação.

O "Centro interpretativo do Forte da Casa", é uma pequena "caixa" de cor de ferrugem cujas paredes interiores estão cobertas com informação sobre as Linhas, informação essa que recorre a gravuras da época para nos dar uma ideia de como tudo aquilo era. Um dos painéis, apresenta um salto no texto, provavelmente correspondente à omissão de, pelo menos, meia frase. Assim foi feito e assim ficou... A um canto, um grande écran tátil mostra-nos uma desenxabida página de internet com ligações para conteúdos sobre o forte e o sistema defensivo. Carreguei num dos links com a perspetiva de ver um vídeo e apareceu-me um aviso de descarregamento de ficheiro para instalação. "Quer continuar com o download?", perguntou-me o computador - deixa lá, pá, fica para outra vez. De seguida, carreguei noutro link, e o chato do computador voltou a não me fazer a vontade porque... não tinha ligação à internet. Desisti, ao perceber que não ia sacar nada daquele aparelho.

Interior do Centro Interpretativo
Voltei-me para o pequeno balcão sobre o qual se alinhavam algumas publicações relativas às Linhas. A funcionária presente acompanhou o meu interesse com alguma conversa na qual me esclareceu logo que não tinha nada daquilo para venda e que eu teria de ir, pelo menos, a Alverca, ao núcleo museológico local. Ou aí ou a Vila Franca de Xira... Perante o mais do que óbvio interesse das publicações (uma das quais um guia pormenorizado das rotas disponíveis, com indicações GPS para tudo - um tesouro!, digo eu), senti-me tentado a voltar atrás uns poucos quilómetros para adquirir os livros. E ainda mais o fiquei quando soube dos preços obscenamente baratos daquilo (€1 por um guia de rotas e €5 por um grande livro com a história das Linhas). Era ala para Alverca que os livros estão à minha espera! (*)

Mas, o entusiasmo pela qualidade das publicações que eu procurava comprar e pelo seu preço simbólico, não podiam ocultar uma grande pergunta: para que serve o Centro Interpretativo do Forte da Casa? A informação mostrada nas paredes é pouca (e podia perfeitamente fazer parte dos painéis existentes no exterior); a informação no computador, pelos vistos, está inacessível (e, suspeito, que seja de pouco interesse); os livros mostrados não estão para venda... Então, para que serve aquilo? Para justificar um posto de trabalho?

A preservação do nosso património edificado vive muito de um certo voluntarismo que, por vezes, nos tenta fazer crer que coisas simples como uns painéis informativos ou um arranjo paisagístico são grandes progressos em prol do Património quando, na realidade, mais não passam do que o cumprir de pequenas obrigações básicas. Outras vezes, gastam-se mundos e fundos em "grandiosos" programas que, no fim, se traduzem em frios arranjos a leste das necessidades e interesses dos visitantes. Dir-se-á que tudo isto é melhor do que nada, melhor do que o abandono puro e simples. Obviamente que sim e, só mesmo em casos extremos, fazer algo é pior do que deixar estar mas... porque razão não se podem fazer as coisas - as pequenas coisas -, bem? Se se faz um centro interpretativo, ele tem de ser uma mais valia para o visitante e não somente uma acumulação de pequenos nadas que acabam por passar uma imagem frustrante para quem lá vai.

Indicada aqui a medida do meu desconsolo, termino com nota em sentido contrário: vale bem a pena, para quem é da capital (e não só, claro), gastar algum tempo percorrendo os sites dos municípios do distrito de Lisboa em busca de informação sobre o património neles existente. É uma agradável sensação de descoberta que só pode terminar com a exclamação "Tanta coisa para ver!".

(*) Em Alverca seria recebido por uma funcionária de inexcedível simpatia que, inclusivamente, me ofereceu um interessante livro sobre a localidade. Males que vêm por bem...

Sem comentários:

Enviar um comentário

Textos relacionados