sábado, 11 de janeiro de 2014

Férias mais baratas: quando ir?

Fora com os preconceitos

Uma praia na época baixa...
É uma pergunta com uma resposta muito fácil: na época baixa. Esqueça os bilhetes postais que lhe mostram a paisagem perfeita, com as pessoas perfeitas e o ambiente perfeito. O mais provável é isso ser uma "encenação" que esconde uma realidade muito pouco agradável: multidões, preços inflacionados e muito, muito stress.

Fazer férias na época baixa não significa gato por lebre mas tão só que estamos disponíveis para, pagando muito menos, também não termos as coisas a 100%. É possível que apanhemos alguns monumentos em trabalhos de restauro ou que o tempo não esteja exatamente como gostaríamos mas, se isso é o preço a pagar pela possibilidade de irmos aos sítios, então, paciência. E fique sabendo que há, cada vez mais, uma consciencialização dos operadores turísticos para a necessidade de "acarinhar" o mercado de época baixa. Isto não é por amor ao turista mas sim para assegurar um fluxo regular de rendimento às diversas economias locais. Seja como for, para nós, o efeito só pode ser bom. Estão aí as constantes promoções, para o provar.

É essencial planear

Mas, como em tudo, há que assegurar um equilíbrio entre o que a época baixa nos disponibiliza e o que são as nossas expetativas. Se queremos ir à neve, não fará muito sentido poupar dinheiro mas subir à montanha no pino do verão, pois não? Quando chegarmos lá acima e nada estiver branco, a culpa não é dos outros mas nossa que não soubemos planear a viagem. Na praia a coisa é diferente porque ela está sempre lá. E o mar, também. Mas se a intenção é ir nadar, convém que nos asseguremos de que não vamos em temporada de tempestades... Ainda assim, não se assuste: há sempre locais com neve e praias agradáveis desde que saiba escolher. Tal como a época alta não se esgota num dia ou num mês, também o seu contraponto se espraia por um intervalo de tempo suficientemente grande para lhe permitir jogar com o clima. Planear de forma informada é essencial.

Muda-se o tempo, muda-se o aspeto das coisas
Se o nosso interesse é um turismo "urbano", a coisa fica-nos muito mais facilitada. As cidades estão sempre no mesmo sítio e não há vendaval, chuva ou frio que as leve. Muito pelo contrário, algumas até fazem do "mau tempo" uma espécie de cartaz turístico (isto é sobretudo verdade nos locais onde neva e, consequentemente, tudo muda de aspeto - muitas vezes, para melhor!). Os museus, os cafés, as lojas, tudo isso não encerra só porque o calendário nos diz que ainda não abriu a época de caça ao turista.

Em favor da visão otimista que nega a ligação entre época baixa e mau tempo, há também que lembrar que há zonas onde, ao longo do ano, o clima é suficientemente agradável para que as nossas hipóteses de apanhar uns dias bonitos sejam muito grandes. Portugal serve de exemplo óbvio.

Mais tempo

As irritantes filas de época alta
A época baixa, para além de nos permitir sair de casa, também nos deixa, uma vez chegados ao destino, fazer mais no mesmo tempo. É certo que o número de horas de luz pode ser menor (caso em que teremos de planear melhor a alternância entre pontos de interesse fora e dentro de "casa"), mas também iremos gastar muitíssimo menos tempo em filas de todo o tipo, seja para comprar um bilhete ou para almoçar. Acredite que, nalguns casos, estou a falar de horas poupadas em cada dia...
Quando não se perde tempo à espera de coisas tão banais como uma ida à casa de banho (sim, acontece!), nós ficamos menos irritadiços e cansados e, portanto, mais disponíveis para desfrutar daquilo e daqueles que nos rodeiam.

Tudo mais calmo e seguro

As pessoas com que iremos lidar também poderão ser mais agradáveis. Nos estabelecimentos comerciais já se foram embora os empregados sazonais e ficaram aqueles com mais experiência. A tensão do excesso de serviço está reduzida e há mais tempo para nos atenderem, sendo que a noção de que há que "mimar" quem aparece quando os outros fogem também ajuda. Quanto às pessoas na rua, libertas do incómodo que fatalmente é causado a quem vive nos locais mas não vive do turismo, estarão certamente mais disponíveis para nos dar "aquela" informação de que precisamos.

A polícia também descansa...
E o crime? Você preocupa-se com isso? Pois saiba que ele também desce. O verão é, reconhecidamente, a época com maior incidência criminal e os turistas são um alvo preferencial do "pequeno" crime. Há mesmo quem se desloque de região para região ao sabor da vaga de visitantes. Garanto-lhe que a sua carteira está mais segura na época baixa (de todos os tipos de ladrões - com ou sem "mascarilha"). Também há menor consumo de álcool (muito ligado a atos de violência) e - por força de menor exposição corporal -, menos assédio sexual.

Temos pois que a época baixa nos proporciona preços mais baratos, mais tempo livre, mais espaço e menos incómodos. Se para gozar de tudo isto temos de, ocasionalmente, suportar um dia menos bonito, pois que seja. A alternativa era ficar em casa a carpir as mágoas e a invejar os outros? Passo.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Textos relacionados